quinta-feira, 29 de agosto de 2013

A sombra do Vento

Título original: La sombra del viento
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Tradutor: Marcia Ribas
Gênero: Romance
Páginas: 399
Ano: 2001
Editora: Suma de Letras

  PESOAALLLLL, mais uma resenha dessa vez um livro Espanhol, foi meu primeiro livro de um autor espanhol e simplesmente me apaixonei, vamos ver o porque?

  A história de Daniel se passa entre sua pré-adolescência e sua jovialidade adulta. Ele é um menino ingênuo e bem simples, filho de Dono de uma livraria que aos seus dez anos descobre um segredo contado pelo seu pai, é um cemitério, mas não um cemitério qualquer um cemitério dos Livros Esquecidos. 

 Em plena Barcelona pós-guerra há um casarão enorme onde são guardados livros já esquecidos, que não possuem mais donos e que seus atores já morreram há muito tempo, e cabe a Daniel escolher um livro para tomar para si, para que o livro tenha um novo dono, e seu escolhido é “A sombra do vento” de Júlian Carax.

  Daniel logo percebe que esse não é um livro qualquer, é um livro de romance e mistério, mas que tem um ar sombrio que só quem teve experiências terríveis na vida conseguiria escrever assim, cada vez mais fica fascinado pelo autor sem perceber em que realmente está se metendo.

  Após algum tempo, Daniel avista de vez em quando um homem, manco, sempre fumando e com a cara cheia de cicatrizes de queimaduras, parecido com o personagem do livro, o próprio diabo, certa vez eles se encontram, Daniel percebe que ele quer o livro para ele, mas não é para lê-lo ou guardá-lo, mas sim para queima-lo junto com as lembranças de Júlian Carax.

  Daniel não sabe por que ele quer fazer isso e cada vez mais tenta desvendar o mistério que envolve Júlian Carax e sua família e cada vez fica mais fascinado com a vida desse autor.
Gente esse livro é simplesmente MARAVILHOSO, eu amei muito!

  E o mais interessante é que não acontece NADA durante 150 paginás do livro, mas mesmo assim ele te envolve de uma maneira que você não para de ler!

  Os personagens são extremamente cativantes, você se afeiçoa a Daniel e a seu amigo Fermín, mas o mais legal é que a vida do autor do livro Júlian Carax ( que aconteceu há 10 anos antes de Daniel nascer) e a própria vida do nosso protagonista se mesclam de uma maneira que se harmoniza, conforme é contado a história de Daniel também é contado a história de Júlian e a gente percebe que os dois passaram por muito coisa parecida.

  Mas como nem tudo é perfeito eu achei que algumas ações demoraram um longo período de tempo para acontecer, decepcionando um pouco o leitor de vez em quando.

  
Mas fora isso é um ótimo livro de época que também nos mostra como era a cultura Espanhola há 50 anos e como os livros eram apreciados!

Nota:



Muito Bom




Citação Favorita:

" A televisão, amigo Daniel, é o Anticristo, e eu digo que bastarão três ou quatro gerações para as pessoas não saberem mais nem peidar por conta própria e para o ser humano voltar à caverna, à barbária medieval, a estados de imbecilidade que a lesma ja superou por volta do Pleistoceno. Este mundo não vai acabar por causa da bomba atômica, como dizem os jornais, vai acabar, sim, de tanta risada, de tanta banalidade, por essa mania de se fazer piada com tudo, e além do mais piadas ruins."

Fermín Romero de Torres.

Onde comprarSaraiva | Cultura | Fnac ($) Submarino Suma de Letras | Martins fontes. 

Licença Creative Commons
A sombra do vento de Cleber Diniz é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Digam a satã que o recado foi entendido

Título original: Digam a satã que o recado foi entendido
Autor: Daniel Pellizzari
Gênero: Romance
Páginas: 178
Ano: 2013
Editora: Companhia Das Letras

Olá pessoas, eu disse no vídeo do domingo que postaria esta resenha na quinta, mas estou postando hoje. Antes de tudo, preciso deixar claro que este livro não é sobre satanismo, ok? Não se assustem, leiam a resenha e descubram qual recado foi entendido!

Ninguém sabe ao certo o que levou Magnus Factor a estender a sua estadia em Dublin, Irlanda. Talvez fosse pela bela Stefanija? Ninguém sabe dizer ao certo, o que sabemos é que Magnus abriu uma agência de turismo especializada em locais mal-assombrados que não existem. E permaneceu na capital mundial da cerveja escura e das brigas de rua.

Magnus gerência sua agência junto de seus sócios e junto do único irlandês, Bartholomew O’Shaugnessy ou Barry como é chamado pelos colegas de trabalho. Ele é contratado para dar maior credibilidade às histórias horripilantes inventadas por Magnus. Barry é um cara arrogante, insuportável, xenofóbico, homofônico e racista. Sim, ele é tudo isso. Porém, consegue nos fazer rir em alguns momentos.

Simultaneamente, uma seita quer trazer de volta o antigo deus-serpente dos celtas, e é nesta seita que encontramos Demetrius Vidaloo, que irá sacrificar uma jovem virgem para realizar o ritual insano e descabido.

Em meio a milk-shakes, assassinato de velhinhas inocentes, videogames, traficantes gregos, cultos obscuros e terrorismo poético, Magnus se vê em um espiral de loucura e desespero. Mostrando com um bom humor, os relacionamentos e a vidas desses idiotas extraordinários, o que conduzirá o leitor a seguinte conclusão:

“Hoje é o amanhã que ontem nos preocupava, e tudo vai bem”. Isto e que um milk-shake, às vezes, é tudo o que um cara precisa. Além de deixar claro para satã que o recado foi entendido.

Digam a Satã que o recado foi entendido é um ótimo livro, sua narração é intercalada ente os personagens, e é apresentado em prosa, o que é uma delicia.

Entretanto, é um texto muito sensível, principalmente quando o foco narrativo está em Barry, pois ele usa muito palavrão e MUITAS palavras chulas. Além de não usar nenhum tipo de pontuação. Os erros gramaticais incorporam com perfeição a essência de Barry.

Muito Bom!






Citação favorita:
“Estava tudo bem na minha vida. Estava tudo errado, mas tudo errado também era tudo bem.”

Magnus

Onde comprarSaraiva | Cultura | Fnac ($) Submarino | Companhia das Letras | Martins fontes. 


Licença Creative Commons
Digam a satã que o recado foi entendido de J. R. Gomes é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

TAG: Livros + Emoções

Olá, pessoas!

Domingo fiz um vídeo de uma tag que eu achei super legal. Ela se chama Livros + Emoções. A tag possui nove perguntas sobre quais livros fizeram você sentir certas emoções como: feliz, triste, nostálgico, estressado, surpreso, entre outros. É uma tag divertidíssima e eu adorei fazê-la. Assistam ao vídeo, seus lindos!


Beijinhos do JR.


quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Veronika Decide Morrer

Título original: Veronika Decide Morrer
Autor: Paulo Coelho
Tradutor: -
Gênero: Romance
Páginas: 208
Editora: Sextante

Olá, pessoas. Hoje vou fazer uma resenha de um livro de um autor que eu nunca me imaginei lendo. Vamos ver no que deu?

Veronika é uma jovem eslovena que decidira morrer. E com a ajuda de muitos comprimidos se entregara ao suicídio, mas ela não esperava que fracassasse em sua tentativa. Seu fracasso a levou direto para Villete, um famoso asilo de loucos localizado na capital eslovena, Liubliana.

Villete foi construído no ano da independência do país em um antigo quartel. A imprensa vivia publicando artigos sobre os maus tratos que acontecia em Villete, além da mistura que era os loucos condenados pela justiça convivendo com os acusados de loucura ou que fingiam insanidade. Ninguém nunca conseguiu fugir de Villete, o que ressaltava a fama da instituição.

Veronika estava presa naquele asilo rodeada de loucos. E é lá que ela descobre que sua tentativa de suicídio prejudicara o seu coração, lhe restando apenas alguns dias de vida.

Em sua estadia no asilo, Veronika conhecera a louca Zedka que lhe explicara, pela visão de um louco, o que realmente era a loucura. Fazendo uma reflexão sobre o senso comum ser a insanidade coletiva que achamos normal. Zedka é uma louca que sabe que é louca, mas que também sabe que precisa parecer com os loucos que vivem no mundo além dos muros de Villete.

Além de Zedka, Veronika acaba se aproximando de outro paciente. Um rapaz que sempre a ouvi tocar piano. Eduard é um jovem esquizofrênico que não fala, não por que é mudo fisicamente, mas essa mudez não existe quando ele está com Mari, uma velha advogada internada por síndrome do pânico que, apesar de já ter se curado da síndrome, ainda permanece em Villete.

Reflexões são postas na mesa. Uma mudez psicológica pode ser curada com um sentimento intenso, a insegurança de recomeçar a vida além dos muros de Villete pode ser superada ao ver o sofrimento de uma moribunda condenada, mas acima de tudo, uma suicida é capaz de encontrar em outra pessoa a vontade de viver.

Veronika decide morrer pode ser um livro de autoajuda; ficção; romance; drama; filosofia e reflexões. O que é a loucura? Quem são os loucos? Como determinar o que é louco ou não? Faço parte de uma loucura coletiva?

Contudo, acima de tudo isso, Veronika decide morrer é um livro de superação. É um livro de uma garota suicida que redescobre o desejo de viver.

Muito Bom!






Onde comprarSaraiva ($) | Cultura | Fnac  Submarino | Sextante | Martins fontes. 


Citação favorita:
“Se um louco me perguntar para que serve uma gravata, eu terei que responder: para absolutamente nada. Nem mesmo para enfeitar, porque hoje em dia ela tornou-se símbolo de escravidão, poder, distanciamento. A única utilidade da gravata consiste em chegar em casa e retirá-la, dando a sensação de que estamos livres de alguma coisa que nem sabemos o que é.”

Dr. Igor



Licença Creative Commons
Resenha Veronika Decide Morrer de J. R. Gomes é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Querido John


Título original: Dear John.
Autor: Nicholas Sparks.
Tradutor: Patrícia de Cia.
Gênero: Romance.
Páginas: 383 ( pocket version).
Editora: Novo Conceito


E ae pessoal tudo bem? Hoje o livro é ROMANTIC! Sim estamos em um momento muito amor no nosso blog <3
O livro de hoje é do autor bastante conhecido Nicholas Sparks chamado “ Querido John” vamos à resenha?

John é um militar que em seus tempos de adolescência, só dava trabalho para seu querido e amado pai que trabalhou o dobro, pois sua mãe foi embora e o largou muito jovem. Ou seja John  passou a maior parte de sua adolescência e o começo de sua vida adulta em bares bebendo, e gastando sua vida em festas e drogas.

Até que em um determinado momento em sua vida ele decidiu largar essa vida e ir para o exército tentar uma nova vida. Sofreu bastante no começo, mas logo em seguida aprendeu o verdadeiro valor do exército e de sua própria vida.

  Ta mas chega de falar do protagonista vamos falar agora na menina pela qual ele se apaixonou, seu nome era Savannah, uma menina do interior, que esta no começo da faculdade.

  John vê Savannah em sua licença quando volta para sua casa, ela está em sua cidade para construir duas casa para família carentes, John e Savannah se encontram, começam a conversar e repentinamente se apaixonam um pelo outro. Mas infelizmente a licença de John se esgota e ele volta para o exército com a promessa de que manterá contato com Savanah até acabar sua fase no exército quando voltará e casará com ela, mas será que esse relacionamento a distância durará?

  Em se tratando de romance eu sinceramente achei “Querido John” surreal, sabe por que? Logo no começo a vida de John já começa a rodar em volta da de Savannah, há milhares de juras de amor e ele a acha  a mulher perfeita vai amá-la para sempre, mas o relacionamento deles não é muito curto! Eles ficam uma semana juntos e logo em seguida John precisa partir...

  Na verdade, na verdade eu achei que as emoções dos protagonistas são exageradas, eu sinceramente não sei se é possível amar alguém assim. Eu acredito sim no amor, mas não naquela forma exagerada de se expressar e de se sentir. E o que é pior acaba iludindo leitores, querendo esse mesmo amor na vida real, mas percebem que não conseguem e no final das contas acabam se frustrando e frustrando o parceiro que não tem culpa alguma, pois é cobrado por algo que não pode dar...

  Mas sabe o que é pior? Isso pode ser dito para muitos livros de romance! E acho que é por isso que não gosto deles, por que para mim soa falso, vindo de um cara que AMA livros de ficção ahahahhaha. Apesar que na ficção você sabe que é mentira e sabe que realmente não existe, diferente de um livro de romance que pode confundir a sua cabeça.

 Mas um ponto positivo do Livro é a relação entre John e seu pai, que cresce conforme ele o visita, pois John começa a compreendê-lo melhor quando se torna um adulto e quando Savannah abre um pouco sua mente.
  
  Eu não gostei de querido John por que eu achei um pouco falsa a relação amorosa, só que a relação familiar é ótima e me emocionei com o pai de John.

Regular
  Mas quero dar outra chance para o romance, então se você tiver alguma sugestão me mande please! :D

Citação Favorita:

"As vezes, só as vezes, a gente dá a sorte de esbarrar com alguém legal."

- Savannah

Onde comprar: Saraiva | Cultura | Fnac | Submarino ($)| Novo Conceito | Martins fontes

Licença Creative Commons
Querido John de Cleber Diniz é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

O Vampiro Lestat


Título original: The Vampire Lestat
Autor: Anne Rice
Tradutor: Reinaldo Guarany
Gênero: Romance sobrenatural
Páginas: 467
Editora: Rocco

Lestat de Lioncourt está de volta em mais um delicioso romance da autora Anne Rice.

Após adormecer durante cinquenta e cincos anos, Lestat é acordado pelo som da banda de rock Noite de Satã. Encantado pelo novo mundo, ele decide revelar o seu mais precioso segredo, e conta para Alex, Larry e Biscoito doce que é um vampiro. Decidido a trazer os velhos vampiros para a luz, Lestat se junta à banda e começa a planejar sua ascensão como a mais nova estrela do rock.

O Vampiro Lestat, este é o novo nome da banda e o título de seu livro, no qual contará a história de sua vida.

Ele nos transporta por diversos cenários e situações, desde sua infância no interior da França do século dezoito; sua estadia em Paris, que levou a sua transformação em vampiro; seu relacionamento conturbado com seu melhor amigo, Nicholas. E seu encontro com Marius, o vampiro ancião, e como consequência, o encontro com um mistério milenar.

Em O Vampiro Lestat, Lestat mostra suas diversas facetas e nos faz amá-lo, assim como todos os personagens do livro, mesmo nos causando certa revolta em determinados momentos. É impossível não amá-lo e não deixar-se levar por sua lábia narrativa. E ao contrário do que pareceu em Entrevista Com o Vampiro, Lestat possui um grande conhecimento sobre os antigos mistérios que rondam os vampiros. E com sua música, acordando um desses mistérios que colocará o mundo dos humanos sobre uma bandeja em um banquete.

Anne Rice me surpreendeu absurdamente com este livro. Suas reflexões sobre o mundo continuam presentes, mas com o ponto de vista de Lestat. E é magnifico ver como a narrativa é completamente diferente de Entrevista Com o Vampiro. Quando leio O Vampiro Lestat não penso que estou lendo um livro da Anne Rice, mas sim o livro do vampiro Lestat, pois é absurdamente convincente a narrativa de Lestat, fazendo com que você se convença de que é ele narrando a sua verdadeira história.

Excelente





Citação favorita:
"Ele estava olhando para mim e seu ódio era tão puro quanto havia sido o tempo todo, como se não tivesse sido diluído pela recordação do amor que houve entre nós."

Lestat de Lioncourt

Onde comprar: Saraiva | Cultura | Fnac | Submarino | Rocco | Martins Fontes


Licença Creative Commons
Resenha O Vampiro Lestat de J. R. Gomes é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Violetas na Janela

Título original: Violetas na Janela.
Autor: Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho.
Espírito: Patrícia
Tradutor: - .
Gênero: Espiritualismo.
Páginas: 298.
Editora: Petit

  Olá pessoal tudo bem? A Resenha de hoje é mais um livro espírita! Então mesmo se você não for espírita, mas tiver uma mente aberta que tal ler essa resenha para conhecer mais um pouco sobre as outras religiões que acreditam em vida após a morte? Vamos la?!

  O livro for psicografado pela Vera Lúcia e ditado pelo Espírito Patrícia, é importante dizer aqui que Patrícia era sobrinha de Vera Lúcia, elas era muito unidas e já percebiam que tinham certa mediunidade entre elas, mas Patrícia morreu muito jovem aos 19 anos devido a um aneurisma cerebral.

  Como a doutrina espírita acredita em vida após a morte, o livro conta o relato de Patrícia após seu desencarne por ela mesmo através de sua tia Vera Lúcia. Patrícia no começo fica um pouco desnorteada, não sabendo realmente onde está, mas logo depois é instruída e descobre que está em uma  Colônia chamada São Sebastião. Lá é acolhida por vários seres espirituais e familiares como Maurício e sua avó que explicam sobre como é o mundo espiritual.

  A família de Patrícia sempre foi espírita por isso ela não se assustou quando desencarnou e nem o que deveria fazer no mundo espiritual, mas isso não sanou todas as suas dúvidas, por isso ela perguntou o que deveria fazer, se podia visitar os pais pois estavam preocupados com ela e até mesmo coisas triviais como se deveria trocar de roupa, comer e tomar banho.

  Todas as coisas foram explicadas, a avó de Patrícia a informou que todos no plano espiritual trabalham para ganhar bônus horas ( como se fosse uma moeda de troca ) e com esse bônus horas ela poderia fazer coisas como ir ao teatro, mandar mensagem para a família e até visita-los quando a hora chegasse.

  E o livro continua a contar sobre a jornada de aprendizado de Patrícia no plano espiritual com o intuito de aprender e estudar o máximo possível para que assim ela possa ajudar quem estiver necessitado.

  E é isso que é importante no Livro violetas na Janela, ele sana alguma das dúvidas que nós temos sobre o plano espiritual, o que o torna uma excelente leitura para quem está interessado na doutrina espírita ou quem esta começando na doutrina, já que ele é de fácil leitura.



  Por justamente ser um livro simples e de fácil entendimento (para quem acredita na vida após a morte, claro) as coisas acontecem muito rapidamente e de fácil acesso para Patrícia e isso da a entender que tudo é muito fácil, mas vale ressaltar que essas coisas aconteceram com Patrícia, por que em Terra ela e toda a sua família viviam   uma vida plena em harmonia e amor ao próximo e isso é tudo o que a doutrina espírita espera de um ser humano.

Bom


Citação Favorita:
"Devem os encarnados pensar nos desencarnados sadios, felizes, e desejar-lhes alegria"

- Maurício

Onde comprar: Saraiva | Cultura | Fnac ($) | Submarino | Petit | Martins Fontes

Licença Creative Commons
Violetas na Janela de Cleber Diniz é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

domingo, 11 de agosto de 2013

Os Sete Pecados Capitais da Leitura

Olá pessoal!

O Cleber resolveu responder a TAG Os Sete Pecados Capitais da Leitura em um vídeo no nosso canal do youtube. Assistam ao vídeo e se divirtam, e não se esqueçam de inscreverem-se no canal, curtir, comentar e compartilhar. Nós amamos quando vocês fazem tudo isso. Aproveitem!


sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Um Porto Seguro

Título original: Safe Haven
Autor: Nicholas Sparks
Tradutor: Ivar Panazzolo Júnior
Gênero: Romance
Páginas: 414
Editora: Novo Conceito

Olá Bookaholics, eu não sou muito fã de romances no estilo Nicholas Sparks, mas eu assisti ao filme baseado neste livro e acabei gostando da história, e quando vi que era uma adaptação fiquei curioso e acabei lendo o livro. Foi uma experiência bacana, espero que aproveitem a resenha!

Katie é uma jovem garçonete, um tanto quanto misteriosa, que se mudou recentemente para Southport, uma pequena cidade ao sul do estado da Carolina do Norte. Ela vive sozinha em uma cabana distante da cidade, e possui uma única vizinha, Jo. Elas se tornam grandes amigas, mas Katie se mantém muito reservada quando se trata de seu passado e do motivo que a levou até Southport.

Em certo dia, Katie conhece Alex, o dono da única loja de conveniência da cidade. Alex é um coroa viúvo, boa pinta e adorado por todos na cidade. Ele administra sua loja junto com seus dois filhos pequenos, Josh e Kristen. Kristen acaba se apegando a Katie, o que faz com que Katie e Alex se aproximem um do outro. Alex conta sobre sua esposa que faleceu devido a uma doença grave e compartilha detalhes de sua vida com Katie, mas ela permanece reservada sem revelar muito do seu passado, o que deixa Alex intrigado por ela.

O inevitável acaba acontecendo e eles se apaixonam, e depois de alguns encontros sem segundas intenções, eles acabam se entregando completamente um ao outro. Katie acaba revelando para Alex coisas do seu passado, e principalmente o motivo que a fez fugir para Southport.

Tudo está perfeito para Katie, mas seu passado chega à cidade e coloca a sua felicidade em risco. Ela se vê obrigada a confrontar o seu passado para salvar a sua vida e a vida daqueles que ela ama, percebendo que nos momentos mais difíceis o amor é o único refúgio.

Um Porto Seguro, sem dúvida, é um romance realista, mas ao mesmo tempo é uma história sobre recomeços, superações e segundas chances. É uma boa dica para quem está procurando um romance mais próximo da “nossa” realidade.

Bom





Citação favorita:
“Eu passei a acreditar que, na vida de cada um, há um momento inegável de mudança; um conjunto de circunstâncias que, repentinamente, faz com que tudo se transforme.”


Carly

Onde comprar: Saraiva ($) | Cultura | Fnac | Submarino | Novo Conceito | Martins Fontes


Licença Creative Commons
Resenha Um Porto Seguro de J. R. Gomes é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

O dia da caça

Título original: Cross Country.
Autor: James Patterson.
Tradutor: Fabio Morais.
Gênero: Suspense; ficção.
Páginas: 213.
Editora: Arqueiro

Olá pessoal como vocês estão? Hoje trago para vocês a resenha do livro “O dia da Caça” de James Patterson, ou seja, um conto de suspense policial! Vamos lá?

Alex Cross é um renomado detetive em Washington, tanto é que já solucionou vários casos onde todos os outros fracassaram e foi exatamente por isso que resolveram entregar mais esse assassinato. Mas infelizmente esse caso não é igual aos outros, quando o detetive entra na cena do crime percebe que aconteceu uma chacina no local, onde os corpos de toda a família foram amontoados na sala de estar.

O Mais impressionante é que o detetive Cross conhece a família que foi assassinada, principalmente a mulher, chamada Ellie Cox sua primeira namorada da faculdade, mas o que mais intriga o detetive é o porquê dessa demonstração de horror? Já que a família Cox era uma típica família suburbana sem nenhum antecedente criminal, o que o assassino queria com isso? Mostrar sua força, mostrar sua existência, ou o pior fazer a família Cox um exemplo do que pode acontecer a outras famílias?

Por mais desorientado que o detetive possa estar no momento ele tenta achar alguma coisa que revele o porquê do trágico destino que a  família Cox teve e acaba encontrando anotações de Ellie sobre um livro que estava escrevendo contando sobre sua viagem a África e como lá o crime era um modo de viver e de se fazer negócios falando justamente sobre o massacre de famílias.

Após alguns dias mais uma família é encontrada morta, mas Alex já possui algumas informações sobre os assassinos, sabem que são africanos e estão deixando o país para voltar à sua cidade natal e fazer negócios, o detetive não perde a oportunidade e segue-os até a Africa.

Alex Cross, não poderia estar mais fascinado e amedrontado com a África, onde é uma terra sem lei e quem manda são os que possuem mais poder e sendo ele um estrangeiro está a mercê das piores coisas que podem acontecer lá. Mortes, prisões sem fundamentos, torturas, informações falsas tudo isso acontece na história do nosso protagonista, será que ele ainda consegue arranjar forças para encontrar o assassino de sua antiga namorada? Alex está entrando em um mundo onde ele é somente o peão do tabuleiro.

Eu tenho sentimentos bem conflitantes em relação a esse livro haaha.

Eu amei esse livro, pois me emocionei com a história da África, pois mais que seja um livro fictício ele tirou algumas informações do que já aconteceu por lá, como por exemplo, a guerra civil em Serra Leoa na década de noventa, fora as questões relacionadas ao petróleo aos diamantes de sangue e a miséria e o sofrimento que o povo passou e ainda passa devido as constantes batalhas que ainda acontecem por lá.

E eu não gostei desse livro, por ficaram algumas pontas soltas na trama, algumas partes não foram totalmente explicadas e solucionadas e deu a impressão de que o autor quis correr nas últimas cinquenta páginas do livro e com tudo isso eu fiquei um pouco decepcionado com o final.

                                                                         
Bom

Citação Favorita:
“A princípio fiquei surpreso com a aparente abertura daquele homem. Algumas de suas histórias pareciam pessoais demais para serem compartilhadas com um estranho, especialmente com alguém que poderia ser um jornalista americano ou mesmo um agente da CIA. Porém, quanto mais ele falava, mais eu percebia que contar o que havia acontecido com ele talvez fosse a única coisa que lhe restava.”

Onde Comprar: Saraiva | Cultura | Fnac ($) | Submarino  | Arqueiro | Martins Fontes 


Licença Creative Commons
O dia da caça de Cleber Diniz é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.